Ronaldinho Gaúcho e Roberto de Assis Moreira, irmão e empresário do ex-atleta foram autorizados a deixarem a prisão domiciliar no Paraguai e retornarem ao Brasil, pelo juiz paraguaio Gustavo Amarilla em audiência preliminar nesta segunda-feira (24).

Para deixar o Paraguai, Ronaldinho terá de pagar 90.000 dólares. Seu irmão Assis, pagará 110.000 dólares por dano social.

Por terem usado passaportes com conteúdo falso para entrar no Paraguai. Primeiramente, eles ficaram detidos em um quartel da polícia nos arredores de Assunção. Depois, os dois ficaram em prisão domiciliar por quatro meses, em um hotel.

Conforme a decisão do juiz Gustavo Amarilla, a investigação concluiu que Ronaldinho não sabia que usava um passaporte adulterado.

 

Agência Brasil