Preso em julho numa operação contra o tráfico de drogas realizada pela Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), o vereador Diogo Michel Canata, eleito pela terceira vez para o legislativo municipal de Alvorada do Sul, no norte do Paraná, não poderá deixar a cadeia para tomar posse. A decisão é do juiz substituto Malcon Jackson Cummings, que neste domingo (27 de dezembro) negou a saída do político, que é acusado de comandar uma quadrilha que chefia o tráfico de drogas na cidade.

A solenidade para posse dos novos legisladores de Alvorada do Sul, município que fica na Região Metropolitana de Londrina, está marcado para acontecer na próxima sexta-feira (1º de janeiro). Diogo, inclusive, foi eleito pela terceira vez mesmo fazendo campanha preso e no dia último dia 18 foi diplomado pela Justiça Eleitoral.

Advogado de defesa, Rafael Garcia Campos ressaltou a importância de seu cliente sair da cadeia excepcionalmente, uma vez que ele correria o risco de perder o mandato que lhe foi confiado pelos eleitores, caso não compareça à Câmara e participe da cerimônia no dia 1º. O juiz do Plantão Judiciário de Porecatu, contudo, alegou não haver urgência para permitir a saída de Canata da cadeia, uma vez que o regimento interno da Câmara permitiria a posse até 15 dias após a sessão solene.

Reeleito como o quarto mais votado do município, com 251 votos, o político do Partido Liberal (PL) foi preso em 8 de julho no âmbito da Operação Paranapanema, deflagrada na região norte do estado. Na casa do político foram apreendidos 30 quilos de crack, armas e veículos. Ele é acusado de tráfico, agiotagem e lavagem de dinheiro.

Segundo o Denarc, o vereador era o chefe da organização criminosa, que vendia e distribuía drogas em cidades próximas de Alvorada do Sul. O irmão dele é também apontado como uma espécie de preposto da organização.

Informações bem Paraná